EMEF Rodolpho Valle e EMEF Gelcy Sena Abrantes.



Pesquisa Google

Carregando...

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Atuação da Coordenação Pedagógica

ESTE TEXTO FOI UM TRABALHO ENTREGUE PARA OBTENÇÃO DE NOTA PARCIAL NA PÓS GRADUAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA:

Atuação da Coordenação Pedagógica

Monica Silva Aikawa
Licenc. em Pedagogia
Habilitação em Supervisão Escolar
Especialista em Psicopedagogia


A atuação da coordenação pedagógica é muito ampla, vai desde o atendimento aos pais e/ou responsáveis até a organização das ações escolares como um todo. Tentaremos a princípio ‘definir’ as atribuições da coordenação pedagógica e descrever as atuações prescritas e reais deste profissional no âmbito escolar.

Disfarçada entre as políticas e reformas educativas para melhoria da qualidade do ensino na década de 90, a figura do coordenador pedagógico surgiu para suprimir as funções de algumas figuras abolidas da realidade das escolas públicas do Brasil, o inspetor escolar, o administrador escolar, o supervisor escolar e o orientador educacional. Em cada um destes cargos havia uma pessoa responsável por executar suas atribuições.

Hoje, temos somente a coordenação pedagógica para executar as funções aglutinadas, dentre elas temos: orientar os alunos, desenvolver trabalhos sobre disciplina na escola, atender pais eóu responsáveis, gerenciar momentos de formação para professores, alunos e funcionários, atender professores, assessorar professores, planejar e acompanhar todas as ações pedagógicas, elaborar relatórios bimestrais e anuais de rendimento e acompanhamento pedagógico, elaborar planos de ação, projetos, PPP, organizar os eventos da escola (hora cívica, festas, comemorações, feiras, esposições...), incentivar constantemente o corpo docente, ou seja, as funções dos anteriores cargos pedagógicos somadas.

Segundo Pires:
A função primeira do coordenador pedagógico é planejar e acompanhar a execução de todo o processo didático-pedagógico da instituição, tarefa de importância primordial e de inegável responsabilidade e que encerra todas as possibilidades como também os limites da atuação deste profissonal. Quanto mais esse profissional de voltar para as ações que justificam e configuram a sua especificidade, maior também será o seu espaço de atuação. (Pires, 2004 apud Santos, 2008)

As responsabilidades inerentes à função da coordenação pedagógica englobam planejamento de ações e acompanhamento didático, contudo, sabemos que no cotidiano escolar surgem diversas situações que precisam de uma solução imediata e outras atribuições burocráticas são impostas e fogem da real atribuição funcional do coordenador, principalmente nas escolas públicas. Sobre as escolas públicas, Placco (2008) comenta a atuação cotidiana da coordenação pedagógica:

O cotidiano do coordenador pedagógico ou pedagógico-educacional é marcado por experiências e eventos que o levam, com frequencia, a uma atuação desordenada, ansiosa, imediadista e relacional às vezes até frenética... Nesse contrexto, suas intencionalidades e seus propósitos são frustrados e suas circusntâncias o fazem responder à situação do momento, “apagando incêndios” em vez de construir e reconstruir esse cotidiano, com vistas à construção coletiva do projeto político pedagógico da escola.

Nas escolas particulares, conforme os textos base e a observação diária nas escolas, percebe-se que há uma maior organização da coordenação pedagógica, pois além do coordenador e do corpo de professores, há o supervisor e o orientador para realizar um trabalho mais eficiente frente a realidade globalizada que busca resultados positivos.
As atribuições de elementos burocráticos à coordenação pedagógica atrasam ou mesmo impedem que ações didáticas sejam realizadas, sabemos que:

[...] nada é meramente administrativo ou meramente pedagógico. Porém acreditamos que atividades de carater operacional não devem ser incorporadas à prática da liderança pedagógica da escola, pois, com certeza, tais atividades impedem o coordenador de pensar estrategicamente o trabalho pedagógico. Além disso, desqualificam o cargo ou função do coordenador, não criando sua identidade no contexto escolar. (Garcia, 1986 apud Santos, 2008)

A luta pela identidade e ressignificação da coordenação pedagógica deve ser prioridade entre as lideranças educacionais, pois a cada dia a situação das escolas públicas piora (indíces de aprendizagem baixos, baixa qualidade de ensino, desorganização), resultado do descaso com o ensino público. Não basta os agente educacionais lutarem por melhores condições de trabalho, as comunidades lamentarem diariamenre pela perda de seus filhos para a marginalidade, se as lideranças políticas não apresentam interesse em solucionar esses problemas.


Realizar ações de articulação pedagógica de maneira séria e comprometida pressupõe condições efetivas para garantir os encontros coletivos, os momentos de estudo e de aprimoramento contínuo que nem sempre o baixo poder aquisitivo e a sobrecarga de tarefas dos professores conseguem garantir. (Fernandes, 2008)



A coordenação pedagógica nas escola públicas são um resultado de políticas de economia nos custos no ensino público, mas os atores principais da ação efetiva devem manter sua qualidade visando os resultados reais do ensino, os cidadãos.

Referências
ALMEIDA, Laurinda Ramalho; PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza (Org). O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. 3. ed. Edições Loyola: São Paulo, 2003.
ALMEIDA, Laurinda Ramalho; PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza (Org). O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. 5. ed. Edições Loyola: São Paulo, 2008.
FERNANDES, Maria José da Silva. O professor coordenador pedagógico, a articulação do coletivo e as condições de trabalho docente nas escolas públicas estaduais paulistas. Afinal, o que resta a essa função?. Unespe: São Paulo, 2008.
SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão; OLIVEIRA, Nilza Helena de. O coordenador pedagógico no contexto de gestão democrática da escola. UFMG: Minas Gerais, 2008.

Nenhum comentário:

Postar um comentário